Pequenas doses

<>

Um caderno com desenhos de lugares representativos para mim. que trazem as lembranças em palavras. terminal e o carrinho de churrasco de gato. o vagão do trem. a aglomeração de pessoas entrando e saindo. a avenida Paulista e os prédios enormes e espelhados. a visão da minha escada para a rua. a janela da minha sala vista de fora. eu meditando sozinho com luz. eu.meditando com garotas nas trevas. eu escrevendo e bebendo e fumando na mesa rústica com bukowski na notas de um velho safado. eu dormindo na sala de aula. eu no trabalho e meu chefe alto monitorando. mesa redonda de reunião dos diretores e o presidente na ponta. ônibus pegando a estrada. os prédios da cidade amontoados na noite. as casas de luxo ao fundo da praia de Riviera. nossa cabana na praia com Carl o corcovado de árvores e a pedra. Itinerário das viagens com os Junkbeats. praia Ubatuba Carl, conversa na beira da água, vendo os ricos em Riviera e falando dos segredos do mundo, louco pra pegar a amiga da mulher de Carl. Bebemos e nos desinibidos. fumamos maconha juntos. e dormimos no mesmo colchão. ouvíamos música no fone e quando todos adormeceram começamos a nos beijar forte. as mãos percorrendo os corpos, curiosas e maliciosas, tateando às cegas nossas vergonhas. ela virou de costas, abaixei sua calça hippies e encaixei meu pau, cauteloso, evitando barulho, Carl se mexia tanto que parecia estar acordado. São Tomé das Letras, Isis, lembrança. retornei lá com Czar. prescrição médica para fumar maconha. apresentava para os policiais que me paravam como um bandido traficante. pensamentos. loucos pensamentos.

 

<>

sentindo estalo no peito, pontada e pressão caindo. os ouvidos surdos, pipocar na vista, calafrios, testa suando, corpo gelado mas queimando, náusea, sensação de despencar a qualquer momento, ônibus cheio, parando em todos os faróis, trânsito na cidade, um dia daqueles. sendo pressionado, recebendo bronca do chefe, cobrado. as sensações distendidas que isso provoca. ficar sufocado. boca amordaçada, mãos amarradas, afundando em pedidos ordens, gritos de ordem, chicotadas, lições de moral, um capacete sendo batido por um taco de golfe, e a cabeça explodindo em estresse. sem ânimo. chato. negro. cinzento. confuso. ansiedade acelerada, batimentos rápidos, dor de cabeça, muita coisa ao mesmo tempo. pifar. bugue no sistema cognitivo, labirintite, náusea, desconfortos. vontade de fugir e largar os problemas para trás. isso parece libertador. quer sentir leve. quer voar. sobrevoar a lama.

 

<>

me estranhei com uma senhora cheia de malas que parou na frente do banco quando a porta do metrô se abriu e ficamos nos olhando e nos encarando e eu posso passar, senhora? e sentei e ela sentou no banco preferencial na minha frente e nossas pernas ficaram encostando toda a viagem e nao tinha nada a se fazer, na hora de desembarcar pedi desculpa a ela e ela me abriu um sorriso e disse que nao foi nada e me senti bem por aquilo, poderia ter ido embora sem dizer nada mas falei e isso foi bom, eu senti. comprando bolacha na paulista, as pessoas calmas e limpas nas cafeterias da galeria. ternos e gravatas, bem arrumados. no escritório não é aconselhável comer na mesa de trabalho, o desktop.trouxe bolacha e um mupy. derrubei o suco, e os farelos constantemente. não me importava com quem estava vendo, limparia mais tarde. estão conversando alto no setor, as duas senhoras amigas se esgoelar falando de dores e remédios e eu imagino coisas como um conto, uma senhora do setor com dor nas costas, pede uma massagem e eu a ajudo na maior boa vontade e todos levam pro mal caminho, e ela não era ruim mas a que era gostosa, a barbie, fica com inveja e também pede, e eu finjo que to comendo a outra velha pra ela querer me dar também, e eu vou pra sua casa e acabo contando, mas ela gosta disso, e do que conheceu de mim e mesmo assim quer me dar, mas eu volto embora e não deixo isso acontecer. ela vai ate minha casa e me pega de surpresa masturbando vendo sua foto e escrevendo sobre ela, deita na minha simples cama, ela que é rica e tem outra vida, e ficamos ali sem fazer nada, ela com o corpo em cima do meu, e foi bom, melhor do que qualquer outro sexo, de fazer por fazer, estar na frente de alguém ou ter o pau pra ela num chá de calcinha. quando eu quis de manhã ela estava atrasada… fazemos loucuras, como selvagens, e ela acabou passando o dia comigo e nao fomos trabalhar.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s