Carmelita [3]

Parte três

Eu queria responde-la, juro que queria, mas como? Garganta entupida, corpo tremulo, raciocínio fora de orbita, delírios, delírios, delírios. As garotas bobas do meu colégio não se comparavam nem um pouco a beleza daquela mulher. Dona Carmen, era esse o seu lindo nome. Ruiva, os fios formavam dois pequenos montes se dividindo no meio do coro capilar antes da testa – logicamente, eu não iria acha-la bela caso tivesse cabelo na testa – e os fios caiam naturalmente pelo rosto, encobrindo as orelhas, o pescoço, o pequeno ombro, se espalhando pelas costas, balançando de lá para cá como o ponteiro dos relógios gigantes.

– Hum… só um minuto dona. – respondi perdendo o equilíbrio de cima do muro.

Tentei desenroscar minhas pernas do muro, mas meu pé esquerdo se prendeu um buraco em que me apoiava para me manter equilibrado, enquanto o direito se elevou para passar por cima de onde me assentava, e sem o impulso do pé preso, meu corpo perdeu a força e pendi para o lado da rua, o peso foi aumentando gradativamente e ouviu-se uma voz fina de dentro do carro velho.

– OLHE MAMÃE, ELE VAI CAIR!!

-Oh, me Deus, meu Deus!

Vi o céu girar, as casas decolarem e fui pendendo, caindo, deslizando levemente do muro, meus dedos desprendiam e meus braços já não se seguravam em nada, apenas a perna esquerda dobrada inconscientemente no buraco se prendia me deixando suspenso.

– Meu Deus, Ei garoto, se segure, irei te tirar daí! – Gritou Carmen se correndo até mim.

Ela esticou os braços para cima, tinha olhos grandes, redondos, verde escuro, como a flores, a sobrancelha estava feita, e sua expressão era de preocupada. Tive a certeza nesse momento que ela era um anjo enviado do céu, Oh era sim! Iria me salvar, veio para salvar minha vida, e nos seus braços eu cairia e me encaixaria feito pluma.

– Se acalme, se acalma, POR FAVOR, NÃO CAIA!!! – ela gritava.

Pedia para que eu me acalmasse, porém eu estava tranquilo, olhava em seus olhos, e queria cair logo, cair nos braços dela, e abraça-la forte, enquanto ela pousasse seu rosto no meu cabelo me beijando e dizendo que foi apenas um susto.Qual seria a graça de vida se tudo acontecesse como planejamos não é mesmo meus amigos? Pois bem, eu não cai sobre Carmen, mas sim sobre o nobre e duro chão, na calçada da minha casa, a altura se contava em torno de 3 á 4 metros, apaguei.

  Compra no boleto e paga na lotérica
   Baixa aí que é de graça

amazon-iconsaraiva icone clube icone google play  icone agbook

      twitter 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s